sábado, 22 de fevereiro de 2014

6

Alegoria das Flores





O discernimento da vida sempre foi e há de ser um grande mistério, sê lá, a vida o prelúdio da morte, será a morte mesmo mais longa que a vida? Seria a vida capaz se sentir o que se sente na morte? Rico, pobre e morto... Todos em pó. Quem sou eu em 7 bilhões? Quem sou eu nos astros, dentro do universo que não se mede, dentro de outro universo paralelo que se morre... Flores a terra... Terra e Flores...
Talvez para muitos, o outro vale mais que a vida... É bem lógico, se morre, e o ouro fica... Será que há algo aqui que não se corrompa? Que não se corroa? Será que é possível viver aqui? Medo de morrer? HAHAHA, tenho medo de viver, onde está a morte, tudo é eterno... Aqui pereço, e saem fagulhas de mim... Deixo pedaços meu pelo mundo... Quem é você? Será você, eu mesmo? O que você é? Humano, animal? Morte? Por onde ando, vejo gente feliz, gente triste, e gente morta... Sinto que sou os três, quem sou eu? Talvez sua alma esteja na minha... Talvez eu veja nos seus olhos a esperança... Dê rosas hoje, as de amanhã se afundam na terra, quem recebe não vê, não sente o cheiro... Nem mesmo o engano nisto...
Queria ser filosofo e criar a alegoria das flores, morra ou viva... Seja ou Não Seja. A vida não é a questão... A questão, é a morte, as flores, e o que se fez com elas... 



                                                   “Não me traga rosas quando eu estiver morto. Quando a Morte reivindicar a luz da minha fronte, nenhuma flor de vida me reanimar : ao invés, você pode me dar rosas agora!”
Thomas F. Healey

6 comentários:

  1. Agora eu sei que não sou o único que pensa dessa forma, estou sempre me perguntando "Quem sou eu no mundo, qual o meu objetivo".

    http://nospodemosonhar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. As vezes me faço essa mesma pergunta... Gostei do blog *u*
    www.panda-blogueiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. É, a viva é viver com medo de deixá-la. Sempre que penso na morte me vem todo tipo de coisa na cabeça, os pensamentos ruins são fortes e acaba que confunde tudo. Não faço ideia do que esperar, é torcer pelo melhor e acreditar. Se não tudo seria muito sem graça.

    terradefagulhas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Adorei o seu texto porque me fez refletir e pensar em bastante coisa!
    Parabéns! Você escreve muito bem :)
    Beijos e fique com Deus!
    Batom De Framboesa

    ResponderExcluir
  5. Muito profundo seu texto. Gostei da parte em que fala que não tem medo de morrer, e sim de viver, porque pelo que sabemos a vida é bem mais complicada.♥

    PiinkCookie.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Olá Jean!
    Perfeito seu texto.
    Eu também as vezes me frago pensando, quem sou eu em 7 bilhões de pessoas no mundo? E eu também não tenho medo de morrer,as pessoas com que convivemos neste mundo podem ser muito mais perigos que a morte.
    Muito lindo mesmo seu texto!
    Um grande abraço.
    http://destroyeddreams42.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir