sábado, 5 de julho de 2014

7

A Guerra das Guerras



Era 2 de junho de 1944, e a IIª Guerra Mundial assombrava o mundo, mas naquela guerra haviam homens de nervos de aço, e esta história que vou lhes contar, ocorreu em Âncio, cidade ao Sul de Roma, Itália, o palco das maiores batalhas da humanidade.
Sargento Joseph, já tinha lá seus 10 anos de serviço, tinha visto muita coisa em sua vida e carreira no exército americano, mas nada se comparava a aquela guerra, de tão sinistra e cruel, alguns achavam que ali os homens pagavam por seus pecados. Joseph comandava uma tropa de 30 homens, numa frente de batalha ao noroeste da cidade, num dos cercos de batalha mais violentos de todos, ninguém ali sabia se haveria chances de voltar para casa, rezavam todos os dias como se fosse a ultima vez.
Algumas batalhas são épicas, mas o que importa aqui, é o que um simples soldado aprendeu: A verdadeira guerra.
Tudo sucedeu cerca de 1 hora antes de uma investida final dos Aliados, quando o exímio Sargento pergunta para um de seus soldados:

- Preocupado Windgans? 
- Um pouco Sargento, minha mãe me espera em casa - Respondeu o soldado.
- Entendo, tenho 2 filhas, uma de 10 anos e outra que nem vi andar ainda, além de minha amada esposa. Mas estou doido pra tirar essa farda tomar um banho e revê-las. - Disse o Sargento rindo.
- Não tem medo Sargento? - Perguntou o soldado educadamente.
- De que Windgans? - Indagou o Sargento rindo.
- De acabar deixando ás sós? - Perguntou novamente o soldado, preocupado. 
- Aprendi a não ter medo meu caro, se eu tiver, morro antes de andar 10 metros, mas e você? Se sente preparado? - Perguntou o Sargento pondo a mão nos ombros do soldado.
- Preparado até pra morrer Sargento, e mais preparando ainda pra derrubar uns 10 desses malditos alemães. - Respondeu o soldado gargalhando.
- Ah, então foi pra isso que veio? Pra matar? - Retrucou o Sargento.
- Para que mais viria Sargento, eles merecem morrer. - Disse o Soldado num tom de vingança.
- Hum, entendo, até certo ponto sim, mas se eu lhe disser que eu não vim pra matar? Propôs o Sargento.
- Está querendo dizer que não vai para frente conosco hoje? Indagou o Soldado.
- Não Windgans, eu vou com vocês, mas não pra matar. - Contestou o Sargento.
- Não entendo Sargento, assim será logo abatido e não nos ajudará em nada.
- Também não meu caro haha. Entenda soldado, uma guerra como essa não se mata ninguém, se salva alguém. Em uma guerra, ter coragem não é enfrentar os inimigos para abate-los, mas sim saber que milhões de vidas dependem de você. Talvez nenhum de nós dois volte de lá, então aí está a questão meu amigo. Que diferença fará em nossa morte quantos alemães nós matamos? Se caso vencermos teremos até honras militares, mas jamais dirão quanto sangue nós derramamos para não sujar nossos nomes, e apenas dirão: "Estes Homens morreram em nome de sua nação e pátria, deram suas vidas para nos garantir liberdade e paz". Soldado, Não faz diferença quantos nazistas você mate, apenas salve aqueles as almas inocentes, se possível soldado, morra, mas morra com honra, não morra pelo presidente, não morra pelo general, não morra por mim, morra pela paz soldado, morra por você, morra por todos. Essa guerra não é nossa soldado, essa guerra precisa acabar. E nós iremos terminar, entendeu Windgans?
- Sim, Senhor! - Respondeu o Soldado fortemente emocionado.

Instantes depois, a sirene toca, aquilo era o aviso da batalha de suas vidas, talvez Joseph e Windgans nunca sejam lembrados pela humanidade, nem mesmo reconhecidos, mas o que eles fizeram naquele dia na Itália, nada no mundo poderá retribuir. Talvez não fosse tão complicado naquela época de um homem parar na guerra, mas ter a consciência do que eles teriam que fazer lá é coisa de outro mundo. Cegamente eles estavam prontos para sacrificarem suas vidas em prol de outras, mas será que esse sacrifício valeria apena? Nunca se sabe, mas talvez eles deram a oportunidade de outras pessoas mudarem o mundo como eles mudaram.



_______________________________
Texto meramente fictício, sendo uma estória de fins literários.                                                                              Jean Bispo

7 comentários:

  1. Boa história, continue assim! Bispo.

    ResponderExcluir

  2. Primeira vez que eu estou entrando aqui e já adorei, se torno um dos meus favoritos.
    Muito linda o lay e as postagens são cheias de conteudos -adoro
    Já estou seguindo se puder me seguir de volta ficaria feliz :)

    Beijos - Katharine Santos

    http://party-fantastic.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Boa história mesmo!
    Não é do tipo que eu costumo ler, mas fiquei curiosa. :D
    Continua!

    Beijos.
    Senhorita Imperfeita

    ResponderExcluir
  4. Uma ótima história,estou naqueles momentos de paixão sobre a segunda guerra mundial,é tão fascinante como cada história que aconteceu dentro da história ♥
    beijos,
    http://opslia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. A historia é bem interessante, gostei bastante.
    Beijos
    Dezesseis de Volta

    ResponderExcluir
  6. "...uma guerra como essa não se mata ninguém, se salva alguém" ... arrepiei

    ResponderExcluir
  7. Morrer por alguém que você não ama, não me parece uma bela forma de morrer. Mas a atitude é válida e, é por essas e outras que esse texto me faz crer que ainda existe humanidade no mundo, mesmo que seja apenas ficção.
    Beijos, chuchu ♥

    Simplicidade Doce

    ResponderExcluir