sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

4

Como badalar seu blog - I Conteúdo




Olá pessoas, como prometido aqui está o primeiro post de uma série de 4. E vamos lá.

Talvez se tratando de conteúdo, venha um pensamento como: "Ah, eu sei muito bem o conteúdo que posto no meu blog". Ao meu ver, não é bem assim, gerenciar conteúdo de um blog é um pouco complexo e tem uma série de fatores que vão determinar o modelo de gerenciamento, e hoje tenho uma receita básica para passar pra ocês.

Pra começo de conversa, é importante que cada um defina o tema principal do blog, só para não ficar perdido. Por exemplo, o meu é de gênero literário. Definir isso é muito importante, meio que você cria um ponto fixo em uma nuvem de conteúdos dispostos ao redor. Pra mim, aí está o grande problema, todo blogger tem um ponto fixo, porém uma parte só enxerga esse ponto fixo, sendo que há uma nuvem de conteúdos ao seu redor. O exemplo mais marcante é em blogs de moda, acho até alguns legais, mas fico empatado de comentar porque não sei nada de moda. Não que isso parta de uma certa pessoalidade em tais blogs, talvez alguns bloggers queiram que seu blog seja realmente restrito àquele assunto, mas ai vai a dica, se você quer realmente badalar seu blog é necessário variar o tema das postagens, lembrando, não faça os temas auxiliares virarem temas principais. Essa variação de conteúdo, tem basicamente um único objetivo: Agradar a um maior número de leitores. Talvez esse seja um dos pretextos fundamentais na teoria da comunicação na internet (ampliação do público alvo). 

Minhas dicas são as seguintes: Seja original, "blogueie" ao seu modo, se o tema do seu blog é de livros, faça resenhas como ninguém faz, porém se o trabalho de ler variados gêneros literários e quem sabe postar outras coisas, tipo música, fotografias, algo sobre filmes...

E aí, gostou? Se já viu como definir o conteúdo do blog, que tal ver como organizar tanto o conteúdo quanto o blog? Acompanhe o Pensamentos Irreais e veja na próxima sexta.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

1

De mim, por você



O que seria de mim? Sem abraços, onde afagar-me o peito, ao atirar o coração a disparos rasantes de flechas.
O que seria de mim? Sem olhares, para chorar ao sorrir, e irrigar os meus belos jardins.
Mas o que seria de mim sem você? Onde quer que vá, eu irei, se não gritarei teu nome até minha voz morrer, e morrerei junto, sem você, e sem poder te dizer.